sexta-feira, 18 de julho de 2008

O Lado Obscuro da Nestlé

Nem só da inocência, vendida através de seu logotipo de pássaros felizes em seu ninho, vive a Nestlé...


Fonte: Esquerda Net
Foto Pedro Angelini/FlickrA multinacional Nestlé contratou os serviços da empresa suíça [1] Securitas para infiltrar agentes desta empresa no grupo de trabalho que preparava um livro sobre os aspectos mais obscuros do funcionamento daquela multinacional. A espionagem durou um ano e a polícia local teve conhecimento do que se passava. O escândalo rebentou com uma reportagem televisiva.

A agente infiltrada pela Securitas entre o verão de 2003 e o de 2004 fazia o ponto da situação nesta empresa de segurança, que por sua vez informava o cliente. Mas ela chegou a reunir pessoalmente com o responsável pela comunicação da Nestlé e com o seu chefe de segurança. O jornal "El Mundo" diz que a Nestlé gastou mais de 65 milhões de euros nesta operação de espionagem.

Depois de contatar a organização que luta contra o poder das multinacionais e dos mercados financeiros, agente da Securitas fez parte do grupo de trabalho sobre as multinacionais, integrand depois o grupo mais restrito que elaborava um livro ("Attac contre l'Empire Nestlé", publicado em 2004).

O trabalho da ATTAC publicado neste livro abordava a acção da Nestlé na sua relação com os OGM, a privatização da água, os sindicalistas e trabalhadores envolvidos em lutas laborais na empresa, incluindo países como a Colômbia, onde os direitos humanos ficam à porta das empresas.

A polícia e a Securitas justificam a infiltração com as circunstâncias particulares da cimeira do G-8 em Evian, embora o período de duração desta espionagem tenha ocorrido já depois da cimeira. A ATTAC/Suíça apresentou queixa nos tribunais após a reportagem ter sido emitida na televisão.


[1] Já depois da notícia ter sido publicada no esquerda.net, recebemos um pedido de esclarecimento da Securitas-Portugal (do grupo internacional Securitas), informando que a empresa suspeita de espionagem à Attac/Suíça, apesar de operar com o mesmo nome, não pertence ao grupo internacional Securitas, que actua nesse país com o nome Protectas.

Obs.: O vídeo da reportagem está em francês.

Um comentário:

Transgênicos disse...

Obrigada pelo comentário no meu blog e da minha dupla (http://transgenicosbromato.blogspot.com). Ele foi um ensaio pro trabalho que foi publicado no blog http://transgenicos-ufrj.blogspot.com. Como vi seu interesse pelo assunto e gostei das suas indicações de livro, te repasso esse link para dar uma olhada, e quem sabe até entrar pras nossas discussões.
Uma ótima tarde.
Márcia Luzia.